PRÓXIMOS EVENTOS

EVENTOS PASSADOS

17.10

Fados e Choros - Essências de Marimba
Vasco Ramalho & Convidados

24.10

Paisagens sonoras Alentejanas
Obras de Luiz de Freitas Branco e Fernando Lopes Graça

30.10

Evangelhos de Liberdade
Obras de Jorge Salgueiro e Gabriel Fauré

30.10

Projeto 3G: Concerto para Percussão
Vasco Ramalho, Rui Quintas e Paulo Amendoeira

13.11

Voar Com a Música – Música para a 1ª Infância
Dinamizadoras: Daniela Pinhel e Joana Godinho

PORTFÓLIO

GRUPOS RESIDENTES

Versátil Ensemble
Voces Splendentes
Al’marafado
Duo Lundú
Guirimbadu
Quinteto de sopros Quas’In Modus

PROJETOS RESIDENTES

SOBRE NÓS

HISTÓRICO

Criada em outubro de 2019 e sediada no Alentejo, a Associação Cultural Bolsa D’Originais é uma associação sem fins lucrativos e surgiu do encontro de um grupo de artistas já estabelecidos na vida cultural e com experiência performativa. Através de uma vontade em divulgar um trabalho artístico interdisciplinar, fora dos grandes centros urbanos, juntaram-se neste projeto, tendo como principal objetivo levar as diversas formas de expressão artística, ao público em geral, numa vertente abrangente e dinâmica de forma a criar novos públicos e uma maior aproximação das populações mais isoladas à cultura e expressão artística. Para além da sua vertente artística, a associação tem também uma ligação pedagógica no âmbito da educação, pela e para as artes, com a consciência de que a educação artística é fundamental para a criação de novos públicos e maior abertura cultural. Em 2020 a Associação Bolsa D’Originais foi contemplada num concurso da Direção Geral das Artes-Ministério da Cultura, para a criação do Festival Arte(S)em Palco, que tem como objetivo levar a cultura a locais mais remotos e isolados no Concelho de Reguengos de Monsaraz. Este Festival para além de espetáculos inclusivos na sua acessibilidade e abertos a toda a população, inclui também diversas ações artístico-pedagógicas para crianças, jovens e adultos. Em 2021, levou a palco o Ciclo de Concertos Ode a Odiana, através do Programa Garantir Cultura, este ciclo trouxe a Reguengos de Monsaraz 3 grandes concertos com orquestras, solistas e maestros de todos o país, incluindo uma estreia da nova obra do compositor e maestro Jorge Salgueiro. Ainda em 2021 o Projeto 3G e o projeto Voar com a Música, apoiados pela Direção Regional da Cultura do Alentejo, levaram a palco concertos únicos com artistas alentejanos, em 3 localidades do Alentejo Central e Baixo Alentejo e trouxe um momento de partilha e descoberta dos sons e música aos mais pequeninos, numa ação de música na 1ª infância. Para além destes projetos estabeleceu várias parcerias com outras associações, tendo participado em concertos e festivais não só no Alentejo, como no Algarve.

Em 2022, a Associação Bolsa D’Originais irá levar a palco a 2ª Edição do Festival Arte(S)em Palco e irá organizar o 1º Festival de Percussão de Alcácer do Sal. Para além destas e outras atividades já confirmadas, a associação irá continuar as suas parcerias culturais, e envolver a comunidade local e outras associações existentes na região, sempre no sentido de uma maior envolvência e aproximação à cultura local onde desenvolve a sua ação.

CORPOS SOCIAIS

Direção:

Vasco Ramalho (Presidente)

Joana Godinho (Vice-Presidente)

Daniela Pinhel (Secretário)

Conselho Fiscal:

Bruno Sousa (Presidente)

Duarte Molha (1º Secretário)

Bruno Martins (2º Secretário)

Assembleia Geral:

Daniela Tomaz (Presidente)

 Hélio Ramalho (1º Secretário)

Ana Freitas (2º Secretário)

Contactos:
Travessa dos Vais nº9, Stº António do Baldio
7200-082 Corval (Reguengos de Monsaraz)
tlf: 964815120/ 914804507

FESTIVAL DE PERCUSSÃO

O I Festival de Percussão pretende que Alcácer do Sal seja a capital da percussão durante este fim de semana. Serão três dias de muito ritmo e animação através de 5 concertos, 5 atividades formativas e arruadas. Nomes como Vicky Marques (baterista de Cuca Roseta) ou Jeffery Davis (considerado um dos melhores vibrafonistas da atualidade) irão elevar a fasquia artística deste festival. A cooperação com várias associações do município fará com que aja uma grande ligação a toda a comunidade Alcacerense com a realização de um concerto que reúne 2 bandas filarmónicas e também com a participação livre de músicos locais que se queiram juntar a nós no evento 50/50. Os workshops de Bombos Tradicionais e Percussão Africana estarão abertos ao público em geral.

17.10

Vasco Ramalho & Convidados
Fados e Choros - Essências de Marimba

17 de outubro às 18h – Auditório municipal de Reguengos de Monsaraz

Direção Musical – Tuniko Goulart

Convidados:

Camerata do Sul

Maestro – João Rocha

Concertino – João Cunha

Cantores – Filipa Sousa e Duarte

Essências de Marimba é um projeto musical do percussionista Vasco Ramalho, lançado em disco no mês de julho de 2017 no Auditório Municipal de Lagos. Este projeto, Essências de Marimba, já se apresentou, entretanto, mais de 50 vezes de norte a sul do país. Para este concerto Vasco Ramalho pretende dar uma nova roupagem ao concerto com a inclusão de uma Camerata de cordas, oboé e trompete que se juntarão aos instrumentos residentes da banda, Marimba e Vibrafone, Violão 7 cordas, Bandolim e Bateria. O espetáculo ainda inclui dois cantores convidados, também conhecidos do grande público.

Fazem parte deste trabalho discográfico fados imortalizados na voz de Amália Rodrigues tais como Mãe Preta, Fado Xuxu, Fado da Adiça, Gente da minha Terra e Vou Dar de Beber á Dor, este último da autoria de Alberto Janes, ilustre reguenguense. Darão voz a estes fados, dois fadistas do panorama nacional, Duarte que é já um nome consagrado do fado e Filipa Sousa uma voz que já representou Portugal no festival da Eurovisão.

24.10

Obras de Luiz de Freitas Branco e Fernando Lopes Graça
Ciclo de concertos Ode a Odiana: “Paisagens sonoras Alentejanas”

24 de outubro às 18:00 – Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz

Ensemble Novus Ventus com a participação de músicos da SFHR

Direção: António Menino

Este concerto, procura homenagear dois dos mais proeminentes compositores portugueses do século XX: Luiz de Freitas Branco e Fernando Lopes Graça.  Para tal, foram encomendados arranjos ao músico e compositor João Defeza, das Suítes Alentejanas N.º1 e N.º2 de Luiz Freitas Branco e da obra Suite Rústica Nº.1 de Fernando Lopes-Graça para esta formação específica.

A Suite Alentejana N.º 1 foi estreada por Vianna da Motta com a Orquestra Sinfónica de Lisboa, no Teatro Politeama, a 8 de fevereiro de 1920. O último andamento «Finale: Allegro» é também conhecido por Fandango, uma das páginas mais conhecidas do compositor. A Suite Alentejana N.º 2 teve estreita absoluta em outubro de 1929, na Exposição de Sevilha, num concerto dirigido pelo maestro Pedro de Freitas Branco, irmão do compositor. O mesmo maestro estreou a obra em Lisboa, a 30 de janeiro de 1932, num dos concertos sinfónicos do Tivoli.

A região portuguesa do Alentejo teve um impacto fundamental na obra de Luís de Freitas Branco; se as duas Suites Alentejanas apresentam um cunho descritivo, também outras obras, mesmo não tendo relação com o Alentejo, foram pensadas e compostas no Monte dos Perdigões, propriedade rural da família Freitas Branco, situada em Reguengos de Monsaraz. Refira-se que a herdade dos Perdigões reuniu, sob a influência de Luís de Freitas Branco, vultos importantes da música e cultura portuguesas, como por exemplo: Joly Braga Santos, José Atalaya, Nuno Barreiros e João de Freitas Branco.

30.10

Obras de Jorge Salgueiro e Gabriel Fauré
“Evangelhos de liberdade” (Estreia da nova obra de Jorge Salgueiro)

30 de outubro às 18h00 – Igreja de Stº António Matriz de Reguengos de Monsaraz

Coro Voces Splendentes e orquestra de câmara

Direção: Jorge Salgueiro

Solistas: Carina Ferreira e André Soares

Preparação e direção coral: Octávio Martins

Concerto dividido em duas partes, que apresenta um variado leque de artistas nacionais em palco no cenário da Igreja Matriz de Reguengos de Monsaraz. Numa simbólica e modesta homenagem aos momentos difíceis vividos por todos nós nos últimos tempos, e em vésperas de finados, Evangelhos de Liberdade de Jorge Salgueiro e o Requiem de Gabriel Fauré, adquirem outro significado para além da fruição musical destas obras.

Em estreia absoluta, Evangelhos de Liberdade é um conjunto de cânticos para voz e pequena orquestra, do compositor Jorge Salgueiro, sobre o tema da Liberdade. Nada é mais importante, pois sem Liberdade não há educação, saúde, felicidade, desenvolvimento, cultura, conhecimento. Ao longo da História milhões morreram para que hoje fossemos mais livres. Desde os escravos do Egito descritos na Bíblia, dos escravos negros, dos regimes totalitários, do apartheid, das mulheres que lutaram pelo voto, pela paridade. Evangelhos de Liberdade lembra-nos isso através de cânticos do povo que sofreu a exploração na pele, através de cânticos diretamente evocativos da Liberdade e de peças religiosas. A religião foi muitas vezes o último reduto da nossa Liberdade, como no poema de Carlos de Oliveira “Não Há Machado Que Corte A Raiz Ao Pensamento” milhões foram os que, apesar da mais profunda privação de Liberdade, nunca abdicaram dos seus princípios políticos, religiosos, filosóficos, culturais. De imediato nos lembramos dos cristãos jogados aos leões pelos romanos: nunca cederam, o seu pensamento era livre. Estes Evangelhos de Liberdade servem pois para, mais uma vez lembrar, a importância da Liberdade em todos os momentos da história da Humanidade, porque a Liberdade não é um dado adquirido.

O Requiem de Gabriel Fauré é umas das obras mais aclamadas deste compositor francês do séc. XIX, sendo que esta composição sofreu várias alterações desde o início em 1887 e a sua última alteração em 1900. Esta missa para defuntos, aqui interpretada na sua versão de 1893, para coro e orquestra de câmara, difere de outros Requiem no sentido em que omite o andamento Dies Irae do Juízo Final. Nas próprias palavras do compositor, este Requiem simboliza o descanso e a paz eterna, o concílio com e em Deus, alcançado no reino dos céus, terminando a obra com o andamento In Paradisum.

30.10

Vasco Ramalho, Rui Quintas e Paulo Amendoeira
Concerto para Percussão

30 de outubro às 21:00 – Cine Teatro Marques Duque em Mértola

Percussionistas: Vasco Ramalho, Rui Quintas e Paulo Amendoeira

O Projeto 3G consiste na realização de concertos em 3 pequenas localidades do Alentejo, pelos percussionistas Vasco Ramalho, Rui Quintas e Paulo Amendoeira, que pretendem assim ir ao encontro das populações, num concerto onde a percussão será o fio condutor. O repertório foi escolhido de forma a dar a conhecer as potencialidades dos instrumentos de percussão onde interpretarão algumas das grandes obras escritas para estes instrumentos. O projeto marca o encontro de 3 percussionistas alentejanos que representam 3 gerações. Vasco Ramalho enquanto professor no Conservatório Regional do Alto Alentejo teve como aluno Rui Quintas que por sua vez desempenha atualmente funções como professor de percussão neste estabelecimento. Paulo Amendoeira enquanto aluno, estudou com Rui Quintas, completando assim um ciclo de 3 gerações. O Projeto 3G, pretende levar a pequenas localidades do interior alentejano, música que só acontece nos grandes centros urbanos.

13.11

Música para a 1ª Infância

12 de novembro às 10h / 11h / 12h (3 sessões) – Biblioteca Pública de Reguengos de Monsaraz

Dinamizadoras: Daniela Pinhel e Joana Godinho

Música para a primeira infância, com um conjunto de sessões musicais para pais e filhos, através de vivências musicais participativas, em função das caraterísticas de cada atividade e também da faixa etária. O seu grande objetivo é ajudar as crianças a desenvolver a audiação tonal e rítmica de forma a aumentar a compreensão sobre a música sob várias formas (ouvir, interpretar, ver, criar). Numa vertente cultural, artística e educativa, Voar com a Música, pretende que as crianças e respetivos cuidadores, tenham acesso de qualidade a uma imersão musical transformadora e eficiente. Estas sessões musicais procuram proporcionar vivências musicais ricas aos bebés e crianças e respetivos cuidadores; estimular os sentidos e enriquecer o vocabulário de escuta, desenvolvendo a audição dos mais pequeninos. O projeto Voar com a Música, estimula a criatividade e improvisação de todos os participantes, promovendo momentos únicos de fruição e partilha artística e de contacto humano e a comunicação entre pais e filhos.

VERSÁTIL ENSEMBLE

Ensemble vocal-instrumental que inclui instrumentos de cordas, sopros, teclas e percussão, assim como cantores e/ou diferentes solistas. Esta formação varia na sua composição conforme o repertório, desde o erudito ao ligeiro e tradicional, e abrange temas alusivos a diferentes épocas ou efemérides que marcam a música e a cultura. A sua direção é feita através de maestros convidados consoante os projetos.

Voces Splendentes

Ensemble vocal a capella, dirigido pelo maestro Octávio Martins, composto por 8 a 16 elementos, adaptando a sua formação base consoante o repertório apresentado. Tendo como repertório principal a divulgação do repertório coral menos conhecido do séc. XIX, o ensemble interpreta também obras de outros séculos e compositores, incluindo obras de grandes nomes da composição portuguesa.

AL'MARAFADO

Trio/Quarteto de voz, oboé e marimba/percussão, ao qual se junta por vezes o contrabaixo. Grupo original que interpreta um repertório mais ligado à música ligeira e de origem tradicional, como Zeca Afonso, José Mário Branco, Vitorino, Adriano Correia de Oliveira, Tom Jobim. Chico Buarque e outros cantautores nacionais e internacionais. O grupo tem arranjos próprios e adaptados para esta formação tão original, que levam ao público uma nova sonoridade de grandes canções portuguesas e brasileiras.

DUO LUNDÚ

Dueto de canto e guitarra dedicado a divulgar o vasto repertório existente para esta formação, que vai desde o séc. XVI ao séc. XX, incluindo repertório português. As obras interpretadas incluem canções em várias línguas, assim como poética espanhola e portuguesa de várias épocas. Concertos comentados num ambiente bem-disposto e divertido, em que o público pode conhecer o contexto histórico de cada obra apresentada. O repertório é acompanhado por guitarra romântica do séc. XIX e guitarra clássica.

GUIRIMBADU

A interação entre a doçura e poesia melódica da marimba com a liberdade e a exaltação da guitarra clássica, resulta numa sonoridade intemporal e inconformista, numa identificação de matriz africana e europeia, numa metamorfose musical, com arranjos feitos para o próprio grupo, por compositores portugueses contemporâneos. Obras de Bach a Beatles, passando por Gismonti, Piazzolla e Villa-Lobos, entre outros dos grandes nomes da música erudita e mais moderna.

QUINTETO DE SOPROS QUAS'IN MODUS

Um quinteto de sopros formado por flauta transversal, oboé, clarinete, fagote e trompa. O grupo apresenta um repertório bastante eclético, abrangendo vários estilos e épocas do repertório erudito, desde o clássico até à música contemporânea. O Quinteto de Sopros Quas´In Modus apresenta também recriações da música popular portuguesa em arranjos que tornam a sua execução inovadora e completamente apropriada para os diversos palcos onde se apresenta, adaptando o seu repertório aos palcos e locais onde atua.

Festival Arte(S)em Palco

O Festival Arte(S)em Palco, estrou em 2021, patrocinado pela dgArtes – Ministério da Cultura República Portuguesa e pelo Município e Juntas de Freguesia do concelho de Reguengos de Monsaraz. Percorrendo uma linha temporal ao longo de vários meses, o Festival apresenta espetáculos de música, teatro e marionetas, nas várias localidades do concelho de Reguengos de Monsaraz e ainda ações artístico-pedagógicas para a comunidade geral. Com entrada livre em todos os espetáculos e com parcerias estabelecidas com outras associações artísticas e culturais da região, o Festival Arte(S)em Palco leva ao público mais recôndito, cultura e arte ao mais alto nível.

Ciclo de Concertos Ode a Odiana

Levado a cabo durante o mês da música, em outubro, este ciclo de concertos pretende homenagear a terra de Reguengos de Monsaraz, banhada pelo Rio Guadiana, outrora denominado de Odiana. Sendo o Alentejo uma região rica tanto em história e cultura, como em valores e recursos humanos, este ciclo de concertos assenta em três pilares fundamentais: Gentes, Música e Território. Com este projeto, financiado pelo Ministério da Cultura – “Garantir Cultura”, a Associação Bolsa D’Originais pretende contribuir para o desenvolvimento de atividades culturais, promovendo a diversidade artística, apostando em projetos emergentes e dinamizadores, recorrendo a entidades e artistas, com ligação ao Alentejo e restante país.

Voar com a Música

Música para a primeira infância, com um conjunto de sessões musicais para pais e filhos, através de vivências musicais participativas, em função das caraterísticas de cada atividade e também da faixa etária. O seu grande objetivo é ajudar as crianças a desenvolver a audiação tonal e rítmica de forma a aumentar a compreensão sobre a música sob várias formas (ouvir, interpretar, ver, criar). Numa vertente cultural, artística e educativa, Voar com a Música, pretende que as crianças e respetivos cuidadores, tenham acesso de qualidade a uma imersão musical transformadora e eficiente. Estas sessões musicais procuram proporcionar vivências musicais ricas aos bebés e crianças e respetivos cuidadores; estimular os sentidos e enriquecer o vocabulário de escuta, desenvolvendo a audição dos mais pequeninos. O projeto Voar com a Música, estimula a criatividade e improvisação de todos os participantes, promovendo momentos únicos de fruição e partilha artística e de contacto humano e a comunicação entre pais e filhos.

Concerto Pedagógico

Vem Conhecer a Orquestra: Um projeto artístico-pedagógico que tem como principal público-alvo crianças do 1º e 2º ciclo, em que o objetivo principal é apresentar as diferentes famílias de instrumentos e as suas respetivas características, de uma forma divertida e interativa. Cordas, sopros de metal e madeira, teclas, percussão e até a voz, são aqui explorados num concerto comentado e com uma vertente lúdica e pedagógica. Através de uma estória imaginativa e original, e apresentada numa linguagem de fácil acesso, o público mais jovem fica a conhecer os instrumentos, assim como algumas das obras mais icónicas, presentes na história da música, procurando despertar as camadas mais jovens para a música e a importância da aprendizagem musical.

Ciclo de Masterclasses, Workshops e Conferências

Sendo uma das suas áreas de ação, a dinamização e promoção de atividades artístico-pedagógicas, a Associação Cultural Bolsa D’Originais, apresenta regularmente nos seus programas, um conjunto de atividades pedagógicas especializadas, num conceito de aprendizagem lúdica e inclusiva, que poderá ser explorada tanto pelos mais jovens como pelos adultos, num ambiente descontraído e de aproximação ao outro, promovendo o despertar cultural e a importância da educação e inclusão social pela arte. Os masterclasses/workshops são desenvolvidos por artistas e professores do ensino artístico especializado, com uma vasta experiência nas suas áreas específicas, fazendo recurso de uma linguagem e técnicas de ensino acessíveis. Todos os participantes podem explorar e desenvolver o estudo de uma determinada área musical ou de expressão dramática e corporal. As áreas de formação incluem instrumentos de sopros, cordas, percussão, saúde e técnica vocal, dança, teatro e expressão dramática e ainda ateliers de Música para Pais e Filhos, destinados à primeira infância. No âmbito das conferências e através da vasta gama de contactos especializados e equipa da Associação, pensando mais num público escolar do 3º ciclo e ensino secundário, a Bolsa D’Originais promove também várias conferências e debates abertos, à comunidade escolar, com a apresentação de diversos temas que abrangem a arte, cultura, história e sociedade, de forma a abrir o seu leque de ação cultural.